Dar voz às mulheres: uma ideia para mudar o mundo

Dar voz as mulheres
Compartilhe:Share on Facebook0Share on Google+0Share on LinkedIn0Tweet about this on Twitter

Quando damos poder, damos voz. Você concorda com esta afirmação? Há mais de três milênios, quando as civilizações começaram a escrever suas próprias leis, uma das questões debatidas era quando e como as mulheres podiam falar.

No mundo atual, o direito da mulher de falar é garantido em lei em muitas partes do mundo, mas será que há equilíbrio entre as vozes dadas a homens e mulheres?

Os Estados Unidos, por exemplo, onde os direitos das mulheres evoluíram consideravelmente, um estudo das universidades Princeton e Brigham Young revela que, apesar dos inúmeros avanços femininos em termos de representatividade na sociedade, os comandos de empresas geralmente são dominados por homens.

A pesquisa observou 94 grupos mistos de pelo menos cinco pessoas em salas de reuniões.

Chris Karpowitz e Tali Mendelberg, autores do estudo, concluíram que “o tempo que as mulheres falavam era significativamente menor do que a representação proporcional delas – cerca de 75% menos do que o tempo que homens falavam”.

“Mulheres têm algo muito peculiar e importante para acrescentar ao grupo”, os pesquisadores disseram, “e isso está sendo perdido, pelo menos em algumas circunstâncias”. Alguns estudiosos argumentam que a o papel dominante dos homens sobre as mulheres em discussões tem suas raízes na infância, quando meninos e meninas assumem, na maioria das vezes de maneira inconsciente, os diferentes papéis que se espera deles.

Um estudo nos Estados Unidos com crianças entre 2 e 5 anos descobriu que pais normalmente interrompiam os filhos mais do que mães, e que ambos interrompiam mais as meninas do que os meninos.

No livro Mulheres, Homens e a Língua, a professora de Linguística Jennifer Coates diz que “a mensagem implícita para as meninas é que elas são mais ‘suscetíveis a interrupções’ e que o direito de falar é menor para elas do que é para os meninos”.

“Ideia para mudar o mundo”

Mesmo que nos dias de hoje o direito da mulher de falar é garantido em lei em muitas partes do mundo, que tenhamos conquistado o direito ao voto, de sermos reconhecidas em sua igualdade e direitos, muitas ainda se calam, e outras têm dificuldade para falar o que sentem e vivem.

Mulheres, nós temos algo muito peculiar e importante para acrescentar no mundo. Um mundo melhor começa com um “eu” melhor. Nenhuma mudança verdadeira acontece de fora para dentro, mas de dentro para fora. Quer um mundo melhor? Comece por dar voz a você.

Somente juntos, homens e mulheres (um não existe sem o outro), conseguiremos travar uma luta gloriosa contra o analfabetismo, a pobreza, a fome, e proteger o planeta da degradação. Só assim, juntos – homens e mulheres, conseguiremos promover sociedades pacíficas, justas e inclusivas que estão livres do medo e da violência.

Proponho iniciarmos a mudança dando voz à nós mesmas. Vamos acabar com esta crença que tem suas raízes na infância, quando meninos e meninas assumem, na maioria das vezes de maneira inconsciente, os diferentes papéis que se espera deles.

De forma consciente vamos dar voz à nós e acabar com esta crença. Para que meninos e meninas possam crescer sabendo que homens e mulheres possuem o mesmo direito de falar.

Homens: democracia é dar voz a quem não consegue se fazer ouvir! Ajudem as mulheres a serem ouvidas. Juntos somos mais fortes!

O que você pensa sobre este assunto? Qual sua ideia para mudar o mundo? Por favor, compartilhe seus pensamentos na seção de comentários abaixo, enquanto aprendo tanto com você quanto comigo.

Abraços, Katiane